2015 o ano em que o mobile já ultrapassou o desktop

Nós olhamos nossos celulares mais de 150 vezes por dia. É um dos poucos objetos que é tão pessoal que tem senha. Ele transforma a vida das pessoas, assim como transforma mercados e indústrias. Mas as marcas não estão acompanhando essa transformação.

O investimento em mobile ainda é de apenas 5%.

mobile

Fonte: Google (g.co/mobileday)

 

Alguns mitos e respostas

Mobile é para quem é rico?

O uso do 3G cresceu 123% nos últimos 18 meses. São 48,3 milhões de usuários de smartphone na classe C. A classe C cresceu 204% em menos de dez anos e movimenta atualmente 495 bilhões de reais em renda própria por ano.

 

É só para redes sociais e entretenimento?

Apenas 28% do tempo é gasto com redes sociais e entretenimento. Os outros 72%: Fotos, bancos, mapas, apps de empresas, buscas, e-mail, comparação de preços, compras.

 

Sites móveis não têm conversão?

86% dos usuários de smartphone fazem pesquisa de compras no mobile. O site mobile (ou responsivo) é o principal canal para atividades comerciais nos celulares.

 

Vale a pena assistir

Confira o documentário produzido pela Google sobre o “Mobile Day”

Rolagem contínua em sites de notícias ajuda a conter taxa de rejeição

No site da Time, o loop infinito ajuda a manter a navegação de visitantes que vieram de redes sociais.

Ao acessar uma determinada matéria nos sites da Time.com, NBCNews.com ou LATimes.com, o leitor hoje se depara com um design diferente, e com uma barra de rolagem que é quase infinita. Ao encerrar uma matéria, basta continuar rolando para ver mais uma, e mais outra.

Essa estratégia tem como intuito conter a taxa de rejeição dos sites de notícias, métrica que dá conta do número de usuários que acessam o link, leem apenas a notícia em questão, e depois vão embora, sem navegar por outros conteúdos. Essa ‘armadilha’ parece ter dado certo – o Time.com relata uma queda de 15% na sua taxa de rejeição, além de um aumento de 21% no número de visitantes de desktop que navegavam para outros conteúdos do site.

Esse novo modelo de usabilidade dos sites surge devido a um aumento do acesso proveniente de redes sociais, que remetem a audiência para um artigo em especial, e não para a página principal. Com isso, é preciso pegar o visitante pela mão e leva-lo a outros conteúdos da publicação, ou trazer às páginas internas pequenos conteúdos que convidem para a navegação para outros artigos. A ‘rolagem infinita’ auxilia nesse processo, já que basta continuar rolando a página para ser impactado por novos conteúdos.

A diferença fica por conta do que cada publicação mostra na sequência de rolagem contínua: na Time, são as principais notícias do dia; na NBC News, são matérias relacionadas à que levou o leitor para o site, o que causou um aumento de 20% nas páginas vistas por visitante; e no LA Times, a tendência é manter o visitante na mesma seção da matéria que ele começou a ver, mas existe também a opção de mostrar outros cadernos relacionados.

No Brasil, uma medida semelhante foi tomada pelo Terra em seu novo design, apresentado há poucos meses. Ao acessar uma matéria específica do portal, o leitor que rolar a página ganha quase que uma ‘página principal’ depois da notícia que leu, ajudando a convidá-lo a outros conteúdos.

Será que a medida realmente ajuda a manter o leitor consumindo outras notícias, ou os usuários vão se acostumar com esse comportamento do site e parar a rolagem logo no final da matéria que queriam ver?

 Fonte: Brainstorm9

 

Site da Fing’rs de cara nova

A Sopa de Ideias, deixou o site da Fing’rs de cara nova, criamos um novo conceito para o banner da página inicial, um conceito mais moderno, dinâmico e interativo!

Se quiser dar uma olhada como ficou, acesse: www.fingrs.com.br

A Fing’rs multinacional com mais de 20 anos e está no Brasil há mais de 15 no Brasil e é uma das principais marcas do mercado de cosméticos, sendo líder em unhas postiças.