E-commerce: entenda as exigências da nova lei que regulamenta a prática no Brasil

A presidente Dilma assinou no último dia 15 de março um decreto que atribui novas exigências à lei que regulamenta a prática do e-commerce. O objetivo é oferecer maior segurança na compra virtual, atender os direitos dos consumidores e tornar acessível informações importantes do fornecedor. As empresas que não cumprirem as regras estarão sujeitas a multa, apreensão dos produtos ou em casos extremos intervenção administrativa.

Esta ordem já está valendo desde o dia 14 de maio. Entenda melhor as novas regras:


Informações institucionais e de contato:

A loja eletrônica deverá apresentar informações de contato como telefone e e-mail, visíveis aos seus visitantes. A exposição do CNPJ ou CPF e endereço físico também são exigências da nova lei.

Direito de arrependimento:
De acordo com o Código de Defesa do Consumidor o cliente tem o direito de devolução do produto em até 7 dias úteis após a compra, no caso do e-commerce após a data de entrega. Esta pode ser considerada a principal exigência, pois as lojas virtuais costumavam cobrar o frete da devolução, porém com o decreto, o arrependimento não poderá gerar prejuízos para o comprador.

Descrição dos produtos ou serviços:
as informações dos produtos deverão ser completas e claras, incluindo riscos à saúde e à segurança do consumidor. O valor e quaisquer taxas ou adicionais deverão estar evidentes, assim como a disponibilidade do produto e as formas de pagamento.

Frete e data de entrega:
o prazo para entrega deverá ser rigorosamente cumprido, e o frete visível durante toda a navegação pela loja.

Assim como a maioria das leis no Brasil, pode-se observar algumas lacunas que certamente serão debatidas pelas entidades e empresas do segmento digital, principalmente no que se refere a estratégia de vendas. Por outro lado, os consumidores estarão mais seguros para realizar compras online, consequentemente o faturamento das lojas virtuais aumentarão, movimentando ainda mais a economia do setor.

Veja o decreto na íntegra.

Fonte: Volts Digital

 

 

Dez maneiras de atrair clientes para o seu site

Descubra estratégias para aumentar as vendas e a audiência do sua loja online

Existem diversas maneiras eficientes de aumentar a audiência do seu site de e-commerce. As estratégias vão desde melhorar sua posição nos sites de busca até atrair clientes no Pinterest e no YouTube. Confira aqui as dez dicas do site AllBusiness para transformar sua loja virtual em um sucesso instantâneo.

1. Use palavras-chave relevantes
Sites de busca respondem por cerca de 35% do tráfego de lojas virtuais. Para melhorar sua posição, pense em cinco palavras que os clientes costumam usar para procurar pelo seu produto. Assegure-se de que esses termos aparecem na descrição do item e nas tags relacionadas.

2. Anuncie em sites de busca
Vá direto nos gigantes. Google, Yahoo e Facebook oferecem opções pagáveis por clique. É uma ótima maneira de exibir seu produto para compradores em potencial.

3. Crie conteúdo de interesse do usuário
Coloque no ar textos que sejam úteis e interessantes para o cliente, mesmo que não tenham uma conexão direta com a venda. Essa estratégia vale para qualquer tipo de negócio. Se o seu site vende roupas, crie um conteúdo com dicas para combinar roupas e publique notícias sobre desfiles de moda. Se trabalha com reciclagem, você pode divulgar um texto sobre logística reversa. Para ganhar mais leitura, inclua suas palavras-chave no título e no texto.

4. Dê espaço para o usuário opinar
Introduza ferramentas que permitam ao cliente dar sua opinião sobre os produtos oferecidos. Esse tipo de interação faz com que o site seja atualizado mais vezes, o que melhora a sua posição em buscas orgânicas. Para que suas resenhas apareçam mais, use uma formatação compatível. Bons exemplos de interação podem ser encontrados nos sites da Amazon e na Apple.

5. Crie um blog
Um blog bem feito pode fazer maravilhas pela sua audiência: basta que o link seja postado nas redes sociais ou em outros blogs. Tanto sócios como diretores podem ser responsáveis pelos textos, que devem falar sobre a área de atuação da empresa, sobre novos produtos, ou sobre temas relacionados. Crie um espaço para comentários no final de cada post.

6. Capriche na descrição dos produtos
Os sites de e-commerce estão repletos de descrições genéricas, monótonas e repetitivas. Textos criativos e instigantes podem fazer toda a diferença para aumentar a audiência do site. O ideal é que cada produto tenha uma descrição única, original e divertida – isso também aumenta sua chance nos mecanismos de busca.

7. Use o Pinterest
Estudos internacionais indicam que o Pinterest está entre as cinco redes sociais mais importantes para os varejistas. Um bom jeito de usá-lo é criar uma conta para a empresa, e daí desenvolver fóruns com links para seus produtos, ou para artigos que promovem a marca.

8. Crie um aplicativo
Vale a pena investir no desenvolvimento de um aplicativo para tablets ou smartphones. Dessa maneira, seu site fica acessível para os consumidores mesmo quando eles não estão em casa. A compra por aparelhos móveis é uma tendência em alta no mercado: usando o acesso mobile, o cliente pode comprar em qualquer lugar, em questão de minutos.

9. Anuncie em sites de comparação de preços
Esse tipo de site costuma atrair um grande número de usuários que estão em busca de preços mais baratos. Um anúncio bem localizado pode aumentar, e muito, a audiência da sua loja virtual.

10. Faça vídeos para os seus produtos
Invista em vídeos profissionais, capazes de mostrar as qualidades do seu produto. Além de postar os vídeos no seu site, crie um canal no YouTube e coloque ali todos os vídeos da empresa. Como o YouTube é de propriedade do Google, isso aumenta suas chances nas buscas por vídeos.

Fonte: Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Brasil deve movimentar US$ 18,7 bilhões com e-commerce em 2012

O Brasil deve movimentar US$ 18,7 bilhões com e-commerce (incluindo a venda de viagens) este ano, o que representa um crescimento de 21,9% em relação ao ano anterior, segundo um artigo publicado em janeiro de 2012 pela eMarketer.

A empresa ainda prevê que em 2013 o Brasil deve responder por mais da metade das vendas online na América Latina, impulsionadas por mais de 23,2 milhões de e-consumidores, ou 34% dos usuários de internet brasileiros. Até 2015, cerca de 31,6 milhões de pessoas (39,0% dos usuários de internet) devem ter realizado ao menos uma compra pelo e-commerce.

A diversificação dos métodos de pagamentos também estão contribuindo para o sucesso do comércio eletrônico no Brasil, de acordo com um relatório apresentado em junho 2011 pelo NIC.BR, o qual descobriu que o cartão de crédito foi a forma de pagamento mais utilizada em sites de e-commerce no ano de 2010. No entanto, métodos off-line foram muito populares no ano de 2009, com o boleto bancário representando 31% das transações virtuais naquele ano.

Uma das maiores barreiras ao comércio eletrônico no Brasil é o receio de fraude online. Ainda assim, a sensação de segurança está aumentando entre os consumidores, de acordo com um relatório publicado em agosto de 2011 pelo e-bit. 70% dos consumidores afirmaram que a segurança online havia melhorado nos últimos dois anos.

Fonte: E-Commerce News

Minha loja física agora também está on-line. Como controlo tudo isto?

Sempre que converso sobre comércio eletrônico com alguém, procuro fazer comparações com lojas físicas a fim de facilitar o entendimento do assunto. A loja virtual, apesar de ser um negócio tão real como qualquer outro, ainda levanta dúvidas que quando transportadas para o ambiente mais familiar, como o da loja física, são facilmente compreendidas. O assunto deste artigo, mais do que falar do físico e do eletrônico, procura exemplificar a importância da união das duas pontas no planejamento do negócio como um todo.

Uma loja virtual é muito mais que apenas um site que vende. Ela contém conceitos que estimulam o consumo e procuram sempre aumentar suas vendas. Assim como as lojas físicas possuem vendedores bem preparados para atender seus clientes, sua plataforma de loja virtual deve conter os atrativos que façam às vezes desses vendedores.

Read more

Magazine Luiza inova nas redes sociais

Loja cria canal em que usuário monta uma vitrine e vende os produtos.

Frederico Trajano - Magazine LuizaO Magazine Luiza inova mais uma vez e promete mudar o jeito de fazer negócios nas redes sociais. É o Magazine Você, uma loja personalizada, na qual o usuário da rede monta uma vitrine e pode vender qualquer produto do Magazine Luiza e escrever dicas que ajudem seus amigos a comprar certo. A vitrine de cada perfil pode ser montada com produtos exclusivos de uma linha, como esportes, tecnologia ou decoração, por exemplo.

Essa é a primeira iniciativa real de social commerce no Brasil, uma venda realizada por meio da relação social entre as pessoas, usando a plataforma de e-commerce do Magazine Luiza. A novidade permite aos usuários receber conselhos de pessoas de confiança, encontrar produtos e comprá-los em um só lugar. Segundo um levantamento da Internet Retailer, 67% dos compradores gastam mais on-line depois de receber recomendações de amigos.

De acordo com Frederico Trajano, diretor de vendas e marketing do Magazine Luiza, todo o processo é realizado nas próprias redes sociais e somente a finalização da compra é direcionada ao site da empresa, o que garante segurança máxima. “Os consumidores buscam a opinião dos amigos nas redes sociais antes de comprar. Pensando nisso, criamos a melhor ferramenta on-line capaz de aproximar o comprador do divulgador. O próprio amigo, ao vender um produto da loja do seu perfil, recebe uma comissão”, explica Trajano.

 

Fonte: ClienteSA