Como era o “photoshop” antes de existir o Photoshop

photoshop

Quem começou a trabalhar com design gráfico ou publicidade há menos de 25 anos não faz ideia de como tem a vida fácil. Em 1990, a Adobe lançou o Photoshop, o software de edição de imagem que veio a se tornar sinônimo do próprio trabalho a que o programa se destina.

Você consegue imaginar o quanto a vida dos designers gráficos ficou mais fácil depois do Photoshop? Então veja o vídeo abaixo, criado pelo portal de e-learning Lynda em homenagem aos 25 anos do software. Nele, o designer Sean Adams mostra como era feito o layout de um anúncio 30 anos atrás: com muito uso da régua, do estilete e da cola!

Já pensou ter que esperar 24 horas até um tipógrafo escrever o texto do seu anúncio? Pois é…

Via Brainstorm 9

Criação de Logotipo – Proporção entre Símbolo e Lettering.

Bom dia a todos, hoje vou escrever sobre uma matéria que me tem ajudado muito ao longo da minha carreira, a regra proporcional de 1/3 entre símbolo e lettering.

Penso que será uma regra muito pouco abordada nas escolas e faculdades, e deste modo vou dá-la a conhecer com a intenção de vos poder ajudar no vosso processo/metodologia de trabalho.

Quando criamos um logotipo, obviamente que o principal é a sua funcionalidade – legibilidade, percepção morfológica e semântica. Quem visualiza ou utiliza o logotipo poderá gostar mais ou menos do que vê, mas a leitura e compreensão deste na sua integra é crucial para a funcionalidade do mesmo, bem como a retenção dessa identidade na memória – pregnância.

Por vezes e de forma errada, o designer atribui durante a sua metodologia, mais tempo ao desenvolvimento da forma do símbolo do que ao lettering. E quando se trata de conjugar as proporções do símbolo com o lettering essa conjugação nem sempre é fácil e poderá trazer problemas no futuro. Teste sempre!

Porquê?  Porque não se pode apenas desenvolver as proporções entre os elementos baseando-nos no nosso gosto pessoal e na nossa noção de equilíbrio. Deve-se realizar testes de redução ao logótipo, para que no futuro não haja problemas na sua aplicação. Hoje o logótipo é para ser aplicado no site, mas amanhã poderá de ter de ser bordado ou aplicado em uma caneta esferográfica… escolher a fonte e o estilo do lettering é tão importante como o tamanho (ponto da letra) e a distância entre caracteres/palavras e elementos.

Quantas vezes imprimimos o logotipo a tamanho reduzido e o símbolo continua a ter leitura mas olettering não acompanha essa leitura? 

Desta forma e para nos protegermos a nível de legibilidade, podemos nos guiar pela seguinte regra: A altura total do símbolo divide-se em 3 partes (1/3) e o lettering terá de ter essa altura de 1/3 do símbolo.

Exemplo1

Exemplo2

Exemplo3

Exemplo4

Exemplo5

Teste e comprove, e irá ver que por mais que reduza o logotipo, o lettering só deixa de ter leitura quando o símbolo também a perder.

Se o logotipo não ficar equilibrado ou ficar com um tamanho de lettering desajustado visualmente em relação ao símbolo, recorra ao 1/4 em vez de 1/3. A altura de 1/4 é o tamanho mínimo que olettering deve de suportar (mas teste).

Em caso de o logotipo ter designação de serviços, (por baixo do logotipo – Exemplo 5 – LUXURY BRAND) terá de ter atenção redobrada, ajustar esse tamanho opticamente, imprimir e verificar. Ainda deverá realizar mais do que um tipo de assinatura para que o problema da legibilidade da designação seja contemplado.

Todas estas normas deverão de vir especificadas no manual de normas gráficas da marca que é um documento muito importante para ajudar a preservar a identidade e que muitas das vezes o cliente não solicita para não ter de pagar mais. O que é barato acaba por sair caro!

Muito obrigado e espero ter sido útil!

Fonte: Juan Costa, Design para os olhos, Marca, Cor, Identidade e Sinalética, Dinalivro.

Via: Design Culture

Conheça as principais tendências criativas para 2015

Uma das maiores empresas de imagem do mundo, a Shutterstock acaba de divulgar um infográfico global de tendências criativas. De acordo com a própria companhia, a novidade é que essa nova versão tem um formato interativo, para que seja possível explorar as tendências globais em imagens, vídeos e música.

Para “prever” a direção em que o mercado caminha, a Shutterstock avalia o comportamento de compra e consumo de seus clientes e a oferta de sua coleção de mais de 47 milhões de imagens. Navegue pelo infográfico abaixo e fique por dentro das tendências para 2015 em vídeo, música e mídia social para diferentes continentes.

Caso você queria saber mais, explore o relatório interativo completo e veja seleções de imagens baseadas nas principais tendências globais clicando aqui.

Confira o infográfico:

shutter

Fonte: Adnews

Campanha de conscientização sobre o câncer de mama faz um redesign dos logotipos das mídias sociais.

cancer

Já lembrou de checar as suas redes sociais hoje? A provável resposta é sim, e você deve ter visto checado várias vezes. Mas e o autoexame das mamas? Vocês, mulheres, lembraram? A resposta provavelmente é não. E em cima dessa ideia genial, a DDB Cingapura criou uma campanha para o Outubro Rosa, mês de conscientização sobre o câncer de mama.

Atualmente, acessar as redes sociais é algo religioso, feito diversas vezes ao dia, normalmente em tempos livres. Já o autoexame de mama normalmente não é feito por “falta de tempo”. E se abríssemos mão de entrar um pouco nas redes sociais para cuidarmos da saúde? Com isso, houve um redesign dos logos das redes sociais, como Facebook, Twitter e Instagram, lembrando as moças de fazerem o autoexame.

Vejam o resultado da campanha:

breast-cancer-facebook-02-2014

breast-cancer-instagram-02-2014

breast-cancer-twitter-02-2014

Via Brainstorm9

9 passos para criar a identidade visual da sua empresa

Saiba como criar um design que traduza o conceito da sua empresa

Todos sabem que um bom design é fundamental para criar a identidade da marca. O que deixa o empreendedor em dúvida é outra questão: como um crio um design que traduza o conceito da minha empresa? Mark McNeilly, professor da Kenan-Flagler Business School e colunista da Fast Company, tem a resposta. Ele listou oito princípios fundamentais para criar a identidade visual para a sua marca.

1. O primeiro passo é perceber que marca e design são inseparáveis. Quando você cria uma marca, a intenção é que ela provoque uma reação forte no público, que  passe a reconhecê-la de imediato. Se você conseguir que duas ou mais pessoas tenham a mesma reação, é sinal de que a sua marca tem força. Em muitos casos, essa reação do público está diretamente relacionada ao design. Então, pare de separar as coisas: para todos os efeitos, design e marca são exatamente a mesma coisa.

2. Já que design e marca são a mesma coisa, passe a integrar completamente os dois conceitos. A essência da sua marca tem que estar no design, sempre. Tudo que a Apple representa para o mundo está representando no design de seus produtos. Se você tirar o logo de um BMW, ainda vai saber que é um BMW.

3. Lembre-se: para criar uma identidade visual forte, você precisa estabelecer uma relação emocional com as pessoas. Essa é, em grande parte, a função dos designers. Eles têm que incorporar os valores e objetivos da companhia, e daí transformá-los de maneira a criar uma conexão com o consumidor.

4. O design tem que fazer parte da estratégia da empresa desde o começo. Não é o caso de montar o negócio e só depois pensar no design. Você tem que levar em conta a identidade visual no momento em que escreve o plano de negócio. A marca da Samsung só ficou poderosa depois que o design virou uma prioridade.

5. Chame os designers a participar das reuniões e acompanhar os processos de decisão da empresa. Bons designers sabem fazer as perguntas certas para criar soluções inovadoras. Quem sabe eles não estimulam a inovação nos outros funcionários?

6. Simplicidade é a chave. Nada de incentivar os designers a terem ideias cada vez mais mirabolantes. Quanto mais simples e mais conectadas com a essência da empresa, melhor.

7. Use o design para reinventar continuamente a marca. Mesmo que tenha achado soluções interessantes para compor a identidade visual, saiba que seu trabalho não terminou. Hoje, as marcas precisam se reinventar o tempo todo. O melhor exemplo talvez seja o Google, que muda o seu logo constantemente, para adequá-lo a ocasiões especiais.

8. Sua marca pode fazer diferença no mundo, encorajando as pessoas a se envolverem com questõs sociais e ambientais. E o design pode ser parte disso. Se o seu time conseguir criar um visual que torne o tema da sutentabilidade acessível e divertido, você terá meio caminho andado.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios